Natal/ RN - quarta-feira, 22 de maio de 2024
(84) 99128-5300

Médicos Sem Fronteiras faz apelo global por cessar-fogo imediato e duradouro em Gaza

Publicado em: 05/12/2023 - 5h14
Médicos Sem Fronteiras faz apelo global por cessar-fogo imediato e duradouro em Gaza

Na América Latina, organização pede a países do Mercosul que pressionem Israel pelo fim de ataques à população civil e a instalações médicas

Médicos Sem Fronteiras (MSF) está realizando uma mobilização global com o objetivo de sensibilizar líderes políticos mundiais a pressionar o governo israelense a interromper de maneira permanente os ataques contra a população civil, instalações médicas e pessoal médico em Gaza.

Estamos testemunhando em Gaza o desrespeito total ao princípio fundamental da humanidade. Hospitais estão sendo transformados em necrotérios. Os ataques estão voltados contra toda Gaza e seu povo, a qualquer custo. O cerco total ao território submete a população a uma situação desumana, sem acesso a água, comida e medicamentos.

Na América Latina, por ocasião da reunião de presidentes do Mercosul, que acontece no Rio de Janeiro entre os dias 4 e 7 de dezembro, MSF-Brasil e MSF América Latina estão enviando uma carta aos líderes dos países do bloco, com o objetivo de pressionar seus presidentes para que façam tudo o que estiver ao seu alcance para assegurar um cessar-fogo imediato e permanente na Faixa de Gaza. É preciso que a comunidade internacional exija que o governo israelense cesse imediatamente os ataques mortais contra civis palestinos e permita que ajuda humanitária crucial ingresse no território. No Brasil, além da carta, MSF também está promovendo uma petição para reforçar esse pedido. Acesse aqui: chng.it/GvRsvqTQ7D

Esta é a nossa carta aberta por Gaza aos líderes do Mercosul:

 

Excelentíssimos Senhores Presidentes,

Médicos Sem Fronteiras clama aos líderes dos Estados-membros do Mercosul que façam tudo que estiver ao seu alcance para assegurar um cessar-fogo imediato e permanente na Faixa de Gaza. É preciso que a comunidade internacional exija que o governo israelense cesse imediatamente os ataques mortais contra civis palestinos e permita que ajuda humanitária crucial ingresse em Gaza.

MSF enviou recentemente uma equipe internacional de emergência a Gaza para dar apoio aos nossos profissionais palestinos na prestação de cuidados médicos e cirúrgicos em unidades de saúde. Lamentavelmente, suas atividades têm sido severamente limitadas devido ao enorme número de vítimas, destruição da infraestrutura de saúde, falta de suprimentos essenciais, como combustível, e o clima de insegurança constante. Neste momento, atender as necessidades humanitárias é simplesmente impossível devido ao cerco e às ações bélicas generalizadas e incessantes levadas a cabo por Israel.

Nossa equipe de emergência em Khan Younis, no sul de Gaza, tem registrado um fluxo maciço de feridos por bombardeios e ataques aéreos intensos, incluindo em campos de refugiados precários e superlotados, onde as pessoas mal conseguem sobreviver com a ajuda humanitária escassa disponível. Essas pessoas estão sujeitas não só a bombardeios, mas também a doenças infecciosas e fome. No sábado passado, 60 mortos e 213 feridos deram entrada na emergência do hospital de Al-Aqsa. Na Cisjordânia, nossas equipes médicas também têm registrado ataques a instalações de saúde, com aumento da violência, tanto pelas Forças de Defesa Israelenses (FDI) quanto por colonos, o que, de acordo com as Nações Unidas, resultou em mais de 200 palestinos mortos desde 7 de outubro.

Os profissionais de Médicos Sem Fronteiras, assim como tantas pessoas ao redor do mundo, estão estarrecidos e consternados com os ataques do Hamas contra civis israelenses. Agora, após quase dois meses, nos faltam palavras para descrever o horror absoluto ao qual Israel está submetendo civis palestinos enquanto leva a cabo ataques militares incessantes e indiscriminadas em Gaza à vista de todo o mundo.

Israel tem demonstrado um desrespeito flagrante e total à proteção de instalações médicas em Gaza. Estamos presenciando hospitais serem transformados em necrotérios ou mesmo ruínas. Estruturas de saúde estão sendo atingidas por bombardeios, tanques e disparos de armas de fogo, sendo cercadas e invadidas, ao mesmo tempo que pacientes e equipe médica são mortos. A Organização Mundial da Saúde (OMS) documentou 203 ataques a instalações de saúde, resultando em 22 mortes e 59 trabalhadores da saúde feridos em serviço. Quatro integrantes da equipe de MSF foram mortos e muitos outros perderam familiares. Um grande número de colegas foi ferido. Outras organizações humanitárias também registraram a morte de dezenas de integrantes de suas equipes.

Os profissionais de saúde, incluindo nossa própria equipe, estão totalmente exaustos e desesperados. Eles tiveram de amputar membros de crianças sem anestesia nem instrumentos cirúrgicos esterilizados. Ademais, devido a evacuações impostas por soldados israelenses alguns médicos tiveram de deixar pacientes para trás e enfrentaram uma escolha inimaginável: suas vidas ou a de seus pacientes. Não há justificativa razoável para atos tão cruéis.

Desde o início de sua campanha militar, o governo israelense impôs um “cerco total” sobre Gaza, impedindo a entrada de água, comida, combustível e suprimentos médicos para 2,3 milhões de civis encurralados no enclave. Além disso, restrições desumanas têm impedido que ajuda humanitária extremamente necessária possa chegar a quem mais necessita. Submeter toda uma população a punição coletiva é um crime de guerra de acordo com o Direito Internacional Humanitário (DIH).

Os ataques de Israel não estão sendo apenas inflingidos contra o Hamas, estão sendo efetuados sobre todo o território de Gaza e sua população, a qualquer custo. Mesmo as guerras têm regras, mas Israel está claramente trocando-as por sua própria estratégia militar baseada na desproporcionalidade. Nos dias iniciais desta ofensiva inimaginável, um porta-voz das Forças de Defesa Israelenses anunciou que a “ênfase” dessa retaliação flagrantemente excessiva seria “nos danos e não na precisão”. Estamos testemunhando o princípio fundamental de Humanidade ser abertamente violado.

O Norte de Gaza está sendo varrido do mapa. O sistema de saúde colapsou. Mais de 15 mil pessoas foram mortas, metade delas crianças, de acordo com as autoridades de saúde de Gaza. Isso representa uma em cada 200 pessoas em Gaza. Dezenas de milhares estão feridos. Famílias estão buscando seus entes queridos mortos sob escombros. De acordo com as Nações Unidas, ao menos 1,8 milhão de pessoas foram deslocadas, esses civis receberam ordens de Israel para se deslocar de maneira forçada para o sul, mas bombardeios israelenses também estão ocorrendo nessa região. Nenhum lugar é seguro.

A pausa nas hostilidades por sete dias foi o primeiro sinal de humanidade depois de semanas de violência ininterrupta, porém ela não significou de maneira alguma uma solução e ao fim deste período, os bombardeios recomeçaram. Qualquer pausa para a população de Gaza é bem-vinda, especialmente se isso lhe der acesso a suprimentos médicos, comida e água. Apesar disso, considerando as necessidades imensuráveis, estes poucos dias de trégua não são o bastante para organizar a entrega de ajuda humanitária capaz de suprir as enormes necessidades.

Pedimos aos líderes dos Estados-membros do Mercosul que ampliem sua voz e utilizem sua pressão diplomática para convencer o Estado de Israel de que a sentença de morte imposta ao povo de Gaza é desumana e indefensável. Até agora, a pressão internacional não tem sido eficiente para deter as atrocidades que estão sendo cometidas em Gaza. Precisamos que a comunidade internacional faça mais do que discursos e comunicados oficiais sobre a necessidade de “respeitar a proteção de civis” e “o Direito Internacional Humanitário”.

Cada um dos líderes dos Estados-membros do Mercosul deve ser parte da solução e utilizar de todos os meios ao seu alcance para impedir que o massacre continue. É necessário e urgente que:

Os ataques indiscriminados e incessantes parem agora;
Os deslocamentos forçados parem agora;
Os ataques a hospitais e equipes médicas parem agora;
O cerco e as restrições à ajuda humanitária parem agora;

Todas as violações têm de cessar imediatamente.

Um cessar-fogo permanente é a única maneira de impedir a morte de mais milhares de civis e de permitir a entrega de ajuda humanitária crucial. MSF também pede o estabelecimento de um mecanismo independente para supervisionar a entrada de um fluxo adequado de suprimentos humanitários em Gaza

Um médico de MSF, Dr. Mahmoud Abu Nujaila, escreveu em um quadro de um hospital de Gaza: “Fizemos o possível. Lembrem-se de nós”. MSF está fazendo o máximo ao seu alcance para reduzir o sofrimento causado por essa guerra e clama para que todos os líderes dos Estados-membros do Mercosul façam o seu máximo para interromper o massacre da população palestina!

 

Respeitosamente,

Renata Reis
Diretora-executiva de Médicos Sem Fronteiras Brasil

 

Victoria Ladoire

Vice-diretora geral Médicos Sem Fronteiras América Latina

 

Médicos Sem Fronteiras (MSF) é uma organização médico-humanitária internacional criada em 1971 que leva cuidados de saúde a pessoas afetadas por conflitos armados, desastres socioambientais, epidemias, desnutrição ou sem nenhum acesso à assistência médica, baseando-se exclusivamente na necessidade das populações atendidas, sem discriminação de raça, religião ou convicção política e de forma independente de poderes políticos e econômicos. MSF pauta sua atuação nos princípios de neutralidade, imparcialidade e independência. MSF encontra-se presente atualmente em mais de 70 países.

MSF atua nos Territórios Palestinos desde 1989 quando iniciou sua atuação na Faixa de Gaza. Em Gaza, MSF fornece cuidados médicos especializados a pessoas com queimaduras e traumas, oferecendo atendimento cirúrgico, fisioterapia, terapia ocupacional, educação em saúde e apoio psicológico. Além disso, MSF possui um programa de cirurgia reconstrutiva para pacientes que precisam. Em 6 de outubro, MSF possuía 300 funcionários palestinos em Gaza. Na Cisjordânia, MSF mantem operações focadas em cuidados de emergência e cuidados de saúde mental em Hebron, Nablus e Jenin.

witter: @MSF_Imprensa

Tags:

O que você achou? Siga @natalemfoco no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui

Cobertura do Natal em Foco Quer ficar por dentro sobre as principais notícias do Rio Grande do Norte, Brasil e do mundo? Siga o Natal em Foco nas Redes Sociais. Estamos no Twitter, no Facebook, no Instagram, no TikTok e no YouTube. Acompanhe!

Comunicado da Redação – Natal em Foco
Site de notícias em Natal, aqui você encontra as últimas notícias da Capital e demais municípios do Rio Grande do Norte. Destaque para seção de empregos e estágios, utilidade pública, publicidade legal e ainda Turismo, Web Rádio, Saúde, política, entretenimento e esportes. Natal em Foco, Online desde 2023, anuncie conosco e tenha certeza de bons negócios.

Siga o Natal em Foco Nas Redes Sociais

Tags:


Desenvolvido por Argo Soluções

:::: PUBLICIDADE :::::

::: Anuncie Conosco - https://natalemfoco.com.br :::